Os animais

dezembro 11, 2009

São uns bicho interessante. Imagine só como é o sexo de um elefante. É com essa frase fúnebre dos mamonas assassinas que eu começo o assunto de hoje.

Os bichos são realmente interessantes. Mais interessantes que eles, só os próprios donos. Muita gente tem cachorro, gato, rato (indesejavelmente) em casa, inclusive eu. O foda é o jeito como os bichos são tratados. Eles precisam de carinho sim. Mas não de idiotice. Hoje aconteceu algo que me fez refletir, minha mãe dialogando com o cachorro daqui de casa.

– Ahhhhh seu cachorro sem-vergonha! (Até aí pensei que ela estivesse discutindo com meu pai, mas depois percebi que não. Que era algo grave… com o cérebro dela. Talvez uma diarreia cerebral, não sei.)
– É você que fica mijando nas minhas plantas né?! (Acho que ela esperava uma resposta. Do cachorro)
– Deixa eu te pegar mais uma vez fazendo isso que você vai ver quem eu sou! (Ela vai curar o ‘daltonismo’ dele?)

É foda isso. Acredito que se ela tivesse falado qualquer outra coisa, teria o mesmo sentido pro cachorro. Ele não entende nada do que a gente fala, então pra quê perder tempo? Exemplo disso são os biólogos nonsense Sérgio Rangel e Richard Rasmussen. O Sérgio era até normal, mas o Richard falava até com ostras. Ele achava que era o aquaman. Mas de todos os animais.

Eu tive um papagaio (minha mãe se livrou dele) que além de inteligente ele era muito mal-educado. Era até normal. Pra um papagaio chato. Ele era tão inteligente que sabia sempre quando eu ia falar com ele. Só que tão mal-educado que me impedia de fazer isso.

– Cala boca, viado!

Ele falava um pouco embolado, mas isso era tudo que a gente “digeria” do que ele falava. Ele também era ranzinza (tipo o seu vizinho idoso). Ninguém conseguia chegar perto que ele beliscava. Por esses motivos a gente deu ele prum amigo do meu pai. Engraçado é que mesmo com isso, eu ainda tenho em mente comprar um gato e um hamster (tipo Tom & Jerry). O problema é justamente os problemas que eles causam.

Anúncios

Junto e Misturado

dezembro 10, 2009

Independente do que você pensou, não é isso. Tô afim de falar sobre línguas. Rááá, também não é isso que você pensou. É sobre língua, idioma, ou whatever it is. Enfim, eu tenho mania de misturar inglês com português às vezes, e sei que muita gente também faz isso. Um whatever ou you know uma vez ou outra chega a ser bem normal. Só que parece que tem gente que não sabe que misturar muito chega a ser chato.

Se você assiste bem TV, pense em assistir “Cilada” (do Bruno Mazzeo, no Multishow). O cara tem um amigo que é um bom exemplo do que eu tô falando. Esse tipo de pessoa é um ser abominável. Ás vezes dá até pra aturar, mas quando começa a usar inglês pra mais de 40% do que fala, já é DEMAIS.

Tente imaginar-se numa loja junto com esse seu ‘amigo’. Como ele vai comprar algo? Não, ele não vai falar normal. Porque ele age assim com todo mundo. Então a única coisa que você pode fazer é disfarçar e ir ao banheiro ou enterrar sua cara ali mesmo.

– Cara, please. How much é esse produto aqui? Tem discount se comprar à vista?

Nem mesmo o vendedor sabe o que fazer nessa hora. Dizer que seu amigo estava brincando pode ser bem útil, mas ninguém garante que vai livrar sua cara. Se ele não tiver cara de gringo, nem pense em usar essa desculpa. O único jeito infalível mesmo é virar as costas e abandonar seu amigo.

Em um restaurante a situação pode até ser bem menos constrangedora, já que o nome do prato é tudo que a garçonete precisa saber. Se o cara inventar de pedir alguma informação, aí a história muda completamente.

– Mais alguma coisa, senhor?

Yes, yes. Pode trazer um copo com lemon and ice?

Esse é um momento que a garçonete, mesmo sem saber, soltaria um WTF?! bem grande. Na necessidade de chamar atenção certas pessoas apelam. Não têm em consciência do que a atitude que estão tendo é ridícula. Não digo apenas desse tipo de pessoa, muitas outras se enquadram. Espero não ter que passar por essas situações. E nem vocês.

Trágico

dezembro 3, 2009

Muito trágico. 2 dias 2 mortes (famosas). Ontem morreu o locutor Luiz Lombardi e hoje a atriz (pornô) Leila Lopes. A maior coincidência é a sigla LL que compõe os dois nomes, haha. Estranho não? Quem sera a próxima vítima? Apostem em seus palpites. Eu prefiro acreditar que seja Galvão Bueno, mas deixa quieto.

Lombardi era o cara do Baú da Felicidade, da Telesena Premiada, e senhor alvo de muitas imitações. Creio que ele não fará falta nos programas em que ele trabalhava, já que suponho que ele já falou todos as bolas da Telesena e todas as possíveis propagandas do Baú. É claro que ele era o homem invisível mais famoso do Brasil, mas ainda assim era um coadjuvante do SBT.

Quem é Leila Lopes? Se não fosse pelos 3 filmes que possuo dela aqui, eu nunca saberia responder. O mais engraçado é que ninguém consegue assistir o filme dela inteiro. Eu por exemplo, sempre pulo as partes em que ela ‘atua’. Eu pensava que pra fazer um filme pornô precisava ser gostosa (tá, Rita Cadillac quebrou um pouco esse tabu, mas ainda assim eu comia), mas não, Leila Lopes é uma magrela com corpo franzino, cabeluda, e feia! Se contratarem a Geisy Arruda pra atuar, nem me surpreendo mais. O pior de tudo é que ela teimava que o filme dela tinha história. Mesmo que tivesse, eu nunca prestaria atenção mesmo.

A Sônia Abrão deve tá com uma raiva desgraçada nesse momento. Uma morte rendia pra ela pauta pra uma semana, agora ela vai ter que dividir essa uma semana pra duas pautas. Que puta azar hein!

Só 500g?

dezembro 2, 2009

Ontem o assunto mais discutido do twitter foi a polêmica sobre uma piada do grande Robin Williams. Robin é um dos maiores stand up comedians do mundo. Além de ter atuado em dezenas de filmes (grande parte de comédia). No programa de David Letterman, como convidado, soltou uma piada em relação às Olimpíadas (além de comediante, é nativo de Chicago. Era algo totalmente previsível). “Chicago enviou Oprah e Michelle. E o Brasil 50 strippers e 500g de pó. Realmente não foi justo, sabe?”. Foi só uma piada, pelo amor de Deus…! Piada se rebate com piada. Não com manchetes em jornais.

Tudo bem, a piada foi UM POUCO ofensiva. Mas e daí?! É o trabalho do cara, não tem do que questionar. Brasileiro é sempre assim. Faz piada de argentino, português e gringo no geral. Mas eles não podem ‘caçoar’ a gente? Pura hipocrisia, é o que eu acho. Sem contar que Robin só citou 2 problemas do Brasil, sendo que há muuuito mais a se comentar. A piada foi pura verdade, não tem nada de apelativo ali. 500g? Só isso? Acho até que Robin nos poupou de uma piada mais agressiva.

Foi mais ou menos o que aconteceu há alguns anos com o caso Simpsons. No episódio a família de Springfield viajava ao Brasil para que Lisa pudesse ajudar um garoto carente. Nessa mini-saga, o Rio de Janeiro é retratado de uma forma cômica e que detona a cidade. Mas vejamos, tudo que mostra é verdade. A crítica caiu em cima do episódio, mas é humor! Humor é feito pra divertir, e é feito a partir da distorção ou manipulação de fatos (reais)!

Máfia dos Panetones

dezembro 1, 2009

Por mais que eu esteja de férias, não quer dizer que eu tenha que atualizar isso sempre. Até que eu queria, mas minha criatividade não me ajuda, sério. Desde minha última postagem venho procurando um assunto interessante, mas não surge nada na minha cabeça de girino. E quando surge, a preguiça fala mais alto e não consigo falar o que quero. Acho que vou acabar falando de política, coisa que não me interesso muito.

Acho que todo mundo deve estar sabendo. O governador daqui de Brasília tá sendo acusado de receber PROPINA. Essa treta já faz mór tempo, mas só agora descobriram. Eu não me arriscaria à perder mandato. Mas no caso dele, houve desvio de milhões. Porém o pior de tudo foi a desculpa dele. “Esse dinheiro era destinado à compra de panetones para distribuição à pessoas carentes”. Puuuutz. Juro que acreditei, sério.

Há um tempo atrás o Arruda foi acusado de uma fraude num tal de um painel. Não sei muito sobre isso. Mas porra, que cara burro. Os políticos tão cercados pela mídia, é óbvio que um deslize já é o suficiente pra pô-lo no olho da rua. No caso dele, no olho do panetone.

Por mais idiota que tenha sido a atitude dele (não a de receber propina, mas sim a de não calar a boca de seu funcionário), a meu ver, ele estava sendo um bom governador. É claro que ele deixou de fazer muita coisa (cadê o nosso metrô aqui pro Gama, sr. Governador?), mas pelo menos até aqui em casa as ruas tão bem iluminadas e tal. De qualquer jeito, com impeachment ou não, isso não vai mudar nada nem na minha vida, nem na sua. Então tá certo. Enquanto ele compra os panetones dele, a gente fica aqui pesquisando se ele é ou não parente da mina da uniban.